EJACULAÇÃO PRECOCE

* Por Rachel Cesar 

A EJACULAÇÃO PRECOCE E OS SEUS FATORES PSICOGÊNICOS

Introdução

Um transtorno de ejaculação a tempos atrás em nossa cultura ocidental não era considerado um problema, já que a nossa civilização sempre foi liberal com a sexualidade masculina. As necessidades sexuais femininas eram ignoradas, pois bastava que o homem alcançasse o prazer, não esperando nenhuma satisfação de sua parceira.

A busca pela sensação orgásmica feminina começou a aparecer pela década de 80 com os movimentos de equidade de género, tornando possível a liberdade sexual e a experimentação do prazer sexual por ambos os sexos. Por estas razões, a ejaculação precoce só começou a ter significação clínica quando a mulher alcançou o “direito” a uma vida sexual mais prazerosa. A ejaculação precoce é por definição, uma disfunção da resposta sexual masculina que ocorre na fase do orgasmo.

Será mesmo Ejaculação precoce?

Por um lado, os casais passaram a comunicar como nunca sobre os seus gostos e preferências sexuais. Por outro, a obsessão pelo prazer feminino trouxe de volta o comportamento egocêntrico e até insensível adotado no passado pela figura masculina. Isso porque muitos indivíduos podem se considerar ejaculadores precoces quando na verdade não o são.

De maneira comum as mulheres podem levar mais tempo para atingir o auge da excitação sexual, passando a exigir do homem maior continência ejaculatória, culpando-o pelo prazer que não conseguem obter.  Outras, talvez anorgásmicas, poderão também aumentar a pressão sobre os seus parceiros.

Neste caso, a incapacidade pode ser projetada no parceiro quando na verdade ela é quem carrega a disfunção. Assim, aquilo que seria considerado precoce deve ser avaliado com mais atenção já que o tempo que cada um desprende para alcançar o prazer é muito relativo e particular. Este critério qualitativo é reforçado por Masters e Johnson ao associar à mulher a responsabilidade de definir se o homem é ou não um ejaculador precoce, já que a habilidade de retardar a ejaculação seria confirmada pela parceira funcional e capaz de perceber o próprio tempo de alcance do orgasmo.

Causas orgânicas

A ejaculação precoce pode apresentar causas orgânicas e psicológicas. Segundo Kolodny et al. (1982, p. 525), a ejaculação prematura “é um fenômeno reflexo regulado por vias neurológicas e possivelmente endócrinas; não obstante disso, a evidencia clinica indica que constitui também um forte componente aprendido no processo”. A disfunção está relacionada a uma inibição adquirida por condicionamentos durante uma situação aversiva e desagradável associada a uma resposta sexual.

As causas orgânicas para a ejaculação precoce podem ser decorrentes de anormalidades prostáticas ou inflamação dos órgãos genitais, exceto nos casos de indivíduos nos quais a disfunção surge após um período de funcionamento adequado e sem causa psicológica aparente ou que sofreram intervenção cirúrgica prostática. A ejaculação precoce de origem constitucional, por exemplo, é típica de pessoas que possuem predisposição biológica inata ao reflexo ejaculatório precoce. Nestas situações, a ejaculação precoce é primária e generalizada.

Este transtorno ejaculatório também pode ser decorrente de certas enfermidades neurológicas: (tabes dorsalis, esclerose múltipla, neuropatias periféricas por alcoolismo ou diabetes) ou traumatismos (craniano, medular ou do sistema nervoso periférico). Nesses casos, o comprometimento orgânico é tão evidente que o quadro disfuncional perde sua relativa importância.

As mais frequentes causas de ejaculação precoce são as infecções das vias urinárias, como as prostatites. A ejaculação precoce pode de forma invulgar ser determinada farmacologicamente, pois o comum é a influência dos fármacos na ejaculação retardada. Pode aparecer, por exemplo, na síndrome de abstinência de opiáceos ou ao se suspender o uso da trifluoperazina (Cavalcanti & Cavalcanti, 2012).

Ansiedade na hora H

Para compreender o impacto psicológico que a disfunção ejaculatória apresenta é preciso relevar o tempo e a qualidade das relações sexuais, já que o padrão repetitivo da ejaculação prematura contribui para o aumento da ansiedade e do sentimento de frustração que o homem experimenta. Mas para ser considerada um problema, a ejaculação deve aparecer de forma involuntária e antes que o indivíduo a deseje. Em outros casos, a ejaculação pode aparecer diante dos mínimos estímulos sexuais, bastando que o homem se sinta excitado.

A falta de controle da ejaculação durante o ato sexual e resulta na apreensão acerca da incapacidade para perceber os primeiros sinais que precedem a ejaculação. Isso porque uma outra causa de ejaculação precoce é o excesso de preocupação em satisfazer o par amoroso no ato sexual, que pode fazer com que o homem se distraia das próprias sensações, perdendo o foco de si mesmo e dificultando o autocontrole.

As fases da disfunção sexual

A partir do modelo trifásico de resposta sexual proposto por Kaplan (1983), passou-se a explicar as fases da disfunção sexual primeiramente em três momentos que dividem em fase primária, secundária e situacional: Se a ejaculação precoce esteve presente ao longo da vida, significa que o homem a tem enfrentado desde que se tornou sexualmente ativo. Já se a disfunção foi adquirida, significa que esta perturbação começou a aparecer apenas após um período de função sexual relativamente normal. Se é situacional, ocorre apenas com determinados estímulos, situações ou parceiros. Quando é considerada generalizada, isso quer dizer que acontece diante de qualquer estímulo, situação ou parceiros.

Fatores Psicogênicos

Dessa maneira, a identificação dos fatores psicogênicos é eficaz para montar um quadro psíquico desta disfunção e compreender as situações reforçadoras que podem estar acentuando esta resposta sexual indesejada. Podem ser relevantes na avaliação desta disfunção sexual:

  • Fatores da relação (falhas de comunicação, cobranças, desgaste diádico, medo do abandono, excesso de entusiasmo);
  • Fatores situacionais (falta de privacidade, pouco tempo para ter relações);
  • Fatores sexuais (inexperiência sexual, não conhecer bem o próprio corpo e as formas de excitá-lo, longo período de abstinência sexual, medo de não conseguir manter a ereção);
  • Fatores de vulnerabilidade (imagem corporal fraca, história de abuso sexual ou emocional, depressão, ansiedade, stress, perda de emprego, luto);
  • Fatores culturais (comparação com outros homens, crenças distorcidas sobre a masculinidade e sexualidade),
  • Fatores religiosos (tabus, sentimento de culpa, punição).

Crenças culturais e o mito do “macho”

A noção de masculinidade que é construída socialmente pode reforçar as crenças irreais em relação ao desejo, excitação, ereção, tamanho do pênis e ejaculação, constituindo-se, muitas vezes, em fantasias de superpotências sexuais, que transformam os homens em máquinas sexuais, independentes de seus sentimentos e motivações. Desumanizados ficam em segundo plano diante das exigências e fantasias relativas ao desempenho sexual, levando-os a sentimento de frustração, incompetência, inferiorização, ansiedade e consequentes falhas na atividade sexual (Rodrigues, 2001).

No outro extremo, está o distanciamento do comportamento sexual por alguns homens que foram educados para ignorar o sexo, confinar até em pensamentos, minando-se de crenças e tabus, reforçando sentimento de culpa: a ideia de que o sexo é algo sujo, de que a masturbação é pecado e a ideologia da abstinência podem impedir que o homem explore a sua sexualidade de forma saudável. A falta de contato com o próprio corpo faz com que ele não desenvolva técnicas para prolongar o prazer e retardar a ejaculação. Nesse regime de desinformação, desconhecem a si mesmos e as suas potencialidades eróticas. Não deve ser fácil desprender-se desse condicionamento para permitir o desejo e a alegria do sexo até pouco tempo vetado.

Conclusão

Por vezes, as pessoas enfrentam reações orgânicas inesperadas à nível das respostas sexuais, o que gera sofrimento, angústia e pode afetar a autoestima. Os sentimentos de rejeição e insegurança também são relatados por aqueles descrevem alguma incapacidade para satisfazer o seu par. A terapia sexual pode ajudar a superar algumas dificuldades que tendem a “bloquear” ou “impedir” um fechamento sexual satisfatório e prazeroso para si e para o outro.

Bibliografia

Cavalcanti, R. & Cavalcanti, M. (2012).Tratamento Clínico das Inadequações Sexuais. 4 ed. São Paulo: Roca.

Kaplan, H. S. (1979). Disorders of sexual desire and other new concepts and techniques in sex therapy. New York: Brunner/ Hazel Publications.

Masters, W. H.; Johnson, V. E. (1970). Human sexual inadequency. Boston: Little.

Masters, William H. & Johnson, Virginia E.; Kolodny, Robert C. Heterossexualidade. [Heterossexuality]. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro, Atheneu, 1984. 398pp.

Munjack, Dennis J. & Oziel, L. Jerome. Sexologia: diagnóstico e tratamento [Sexual medicine and counseling in office practice: a comprehensive treatment guide] Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro, Atheneu, 1984. 398pp.

Nobre, P. (2006). Disfunções sexuais. Lisboa: Climepsi Editores.

Garrett, Ana, & Sousa, Mónica. (2013). A disfunção sexual em homossexuais masculinos: Potencialidades e desafios. Análise Psicológica, 31(1), 103-111. Recuperado em 30 de abril de 2018, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000100007&lng=pt&tlng=pt.

Rodrigues Jr, O. M. (2001). Aprimoramento a saúde sexual: manual de técnicas de terapia sexual. São Paulo: Summus.

Safren, S., & Rogers, T. (2001). Cognitive-behavioral therapy with gay, lesbian, and bisexual clients. Journal of Clinical Psychology, 57(5), 629-643.

 

5 Causas de Vaginismo – Dor Durante o Sexo

O que é vaginismo?

No vaginismo a mulher contrai involuntariamente a musculatura da vagina de tal forma que até os exames ginecológicos ficam comprometidos. Outras situações do cotidiano como colocar um absorvente interno não é tão simples e banal como é para as demais mulheres. Por trás destas dificuldades, existe uma sensação de medo que influencia diretamente no quadro do vaginismo.  A idéia que estas mulheres tem é a de que o ato sexual será muito doloroso havendo um bloqueio a nível psíquico, que reforça o estreitamento da musculatura vaginal, gerando incômodo, ardência/ latejamento e sensação de desconforto com a entrada do pênis.

 A respiração pode ficar ofegante e curta durante as tentativas de penetração e a mulher pode desenvolver aversão ao sexo por causa da dor ou do fracasso. Por outro lado, apesar do nítido bloqueio que faz com que a mulher literalmente se feche, ela continua a ser extremamente capaz de sentir desejo sexual, de ser excitada e de experimentar o orgasmo, considerando qualquer relação sem penetração como prazerosa e até muito satisfatória.

Ansiedade e Temor

A mulher começa a antecipar a angústia e o medo sempre na iminência da penetração. Quando costuma ceder ao ato sexual, acaba por convencer-se de que irá reviver todos os sintomas dolorosos de tentativas anteriores frustradas. Qualquer tipo de temor pode provocar elevada apreensão da mulher na hora do sexo. Seja o medo de sentir dor na penetração, de desenvolver algum tipo de tumor (câncer), de pegar uma doença sexualmente transmissível, medo de engravidar ou da insistência do parceiro para transar sem a sua vontade, tendo o receio de não ser tratada com o mínimo de tolerância.

Problemas na relação amorosa

A evitação da mulher para o ato sexual causa grande sofrimento e frustração no casal. O bloqueio pode ser uma defesa da mulher frente ao desgaste da relação amorosa. O entregar-se na relação sexual, permitindo ser possuída e penetrada, pode estar comprometida pelos seguintes motivos: baixa confiança no parceiro, perda da admiração, falta de zelo e cuidado, não se sentir amada, desejo de punir o parceiro por ciúmes, traições, vícios ou até mesmo sentimentos de superioridade ou desprezo.

IMAGEM 6

Muitas mulheres também estão dispostas a aguentar certa dor e desconforto durante a penetração por acreditarem que esse sacrifício é uma obrigação conjugal que deve ser suportada. Experiências sexuais insatisfatórias como não ser estimulada o suficiente, tentativa de penetração forçada, enfim, submeter-se a qualquer forma de relação sexual imposta ou não desejada pode contribuir para a diminuição do afeto e perda da confiança pela mulher.

Vivências Traumáticas

As experiências sexuais traumáticas acabam por formar uma auto-imagem negativa. A mulher pode carregar sentimentos de vergonha, inadequação, se esquivar de ser observada nua, achar que não é atraente o suficiente e não se sentir digna de ser tocada com desejo e amor, desconfiando sempre das intenções de seu par amoroso. A mulher também pode desenvolver uma personalidade passiva (delicada e sensível demais), autoritária (escolhendo homens geralmente com baixa assertividade e submissos) ou auto suficiente (vendo o homem como objeto sexual e reprodutor apenas). Por trás dessas personalidades podem estar um histórico de abusos sexuais sofridos por ela ou por pessoas muito próximas, agressões, estupro, ter presenciado cenas de sadismo, relatos distorcidos ou assustadores a respeito do sexo.

Experiências repressivas e punitivas

vaginismo e as causas psicológicas

A mulher com vaginismo pode ter crescido num ambiente familiar muito castrador, machista, cheio de tabus e proibições sobre o sexo. O contexto religioso também pode implantar crenças restritivas e punitivas sobre a prática sexual: “De que a mulher deve permanecer pura até o casamento”; “Que o sexo é pecaminoso e impuro”; “Que a mulher quando se relaciona com mais de um homem é promíscua”; “que o homem irá usá-la e jogá-la fora”.

A desinformação a respeito do sexo pode contribuir para que alguns jovens não se sintam preparados para o ato sexual, pois não o coloca como uma possibilidade: seja pelo medo da repreensão moral ou divina. Isso pode fazer com que durante a exploração do corpo um do outro, a menina fique vulnerável deixando acontecer a penetração sem proteção o que depois pode causar sentimentos de culpa e medo de engravidar, por exemplo. Assim, uma jovem saudável pode começar a desenvolver um quadro vagínico que pode acompanhá-la dali por diante.

Estereótipos de gênero

As influências sexuais culturais recebidas a respeito da figura feminina podem ser reducionistas, limitantes, transformando o ser mulher em ser objeto, baseada em propagandas machistas e apelativas: são as mulheres frutas, as cachorras, as preparadas e tantos outros estereótipos por aí difundidos. Talvez isso contribua para um sistema de defesa psíquico da mulher no qual o homem pode ser encarado como alguém que deseja apenas usá-la ou que irá descartá-la, afinal com tantas mulheres das cervejas aparecendo por aí…

Assim a idéia de ser penetrada por um homem que represente esta mentalidade, transmite a sensação de vulnerabilidade, podendo a mulher optar por se tornar “indefesa” submetendo-se a uma relação submissa e insatisfatória ou extremamente auto suficiente, protegendo-se das possíveis fantasias de abuso e abandono do homem que irá trocá-la um dia.

O vaginismo é uma disfunção sexual de caráter psicossomático e sua abordagem deve focar o aspecto médico e psicológico. O atendimento deve envolver o casal para o sucesso da terapia sexual. Continue no site explorando mais informações sobre as causas psicológicas das disfunções sexuais femininas e masculinas.